O tempo escasseia...


O tempo escasseia…. Cientistas, ”profetas”, falam do fim dos tempos ou melhor dizer o fim de uma civilização. Já entramos no novo ciclo e na nova era, a era de Aquário.

Nestes tempos conturbados, de grandes mudanças a nível da humanidade, a nível do planeta, a nível das consciências, precisamos mudar o nosso nível de ser, o nosso nível de vibração.

Para que isso aconteça precisamos efectuar uma transformação interior, trabalhar sobre nós mesmos. É necessário mudar a nossa forma de pensar, de agir, de falar. Tomar continuamente consciência das nossas dúvidas, medos, sofrimentos, tristezas, a nossa falta de fé e confiança em nós-mesmo.

Esse trabalho deve ser constante com a ajuda da força de vontade, da coragem, da persistência para nos transformar, criando e cultivando a paz, a alegria, a sabedoria, a harmonia, o Amor, com a consciência do nosso sol interior.

Neste blogg podem encontrar alguma orientação. Mas o site http://www.ducielalaterre.org/ é muito mais completo.

Anna Carolina

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Lição de Sabedoria nº 79

 
«Actualmente, as turbulências são consideráveis. Acontecem nos planos do invisível, pelo menos nos planos de que ainda não podem aperceber-se, combates gigantescos, o confronto de duas energias, uma que não que ficar absorvida e a outra que quer tomar o seu lugar. Esse combate gigantesco tem repercussões consideráveis no vosso mundo.
Pedimo-vos com insistência para mudarem o vosso comportamento, para ficarem unidos no vosso grupo, unidos na vossa família, para tentarem dominar todas as pequenas decepções, os vexames que têm no dia-a-dia.
Devem absolutamente ir ao essencial. Dissemo-vo-lo mil e uma vezes mas agora este período crucial para qualquer vida aproxima-se rapidamente, de facto começam a vivê-lo. Se não mudarem de atitude em relação a vós mesmos e em relação aos outros, se não conseguirem dominar as vossas emoções, e determinar se é o ego que vos faz agir, terão mais dificuldades em ficar centrados quando os eventos se precipitarem.
Insistimos na necessidade em trabalharem os vossos medos. Se o repetimos, é porque é muito importante! Não desejamos que as nossas palavras gerem medos, queremos simplesmente dizer-vos para aprenderem mais o domínio, principalmente o dos vossos medos.
De facto, o verdadeiros medos são muito pouco numerosos no comportamento humano e nas experiências que podem gerar. Os medos tomam essencialmente raiz na mente. Na época actual, certas energias, que fazem parte do imenso combate que acabamos de falar, tentam por todos os meios gerar medos na consciência da humanidade e na consciência de tudo o que vive
Acreditam que todos os animais, com tudo que que os humanos lhes fazem sofrer, não sentem medos, nomeadamente o da destruição? Assim o medo está a todos os níveis! Mesmo o reino vegetal tem medo, medo quando incêndios o devasta, medo das tempestades! Os medos são uma vibração que qualquer reino, que qualquer vida sente, em diferentes níveis claro.
Os homens estão no fim da cadeia e têm uma consciência muito mais aguda, por isso um medo muito maior.
Aprendam simplesmente a não projectar nada no futuro e a viver o instante presente. Mesmo que tenham consciência do que o amanhã poderia ser, ainda não há nenhuma existência. Dêem toda a vossa energia, toda a vossa sabedoria, todo o vosso Amor ao instante presente, ao acto que fazem no instante presente. Isso vos permitirá adquirir muito mais mestria e sabedoria porque não terão que concluir sobre o que foi ou o que será.
Precisarão de toda a energia disponível em vocês para fazer frente às imensas transformações que abanarão não só este mundo mas igualmente qualquer vida, incluindo vocês, claro.
Uma certa parte da humanidade está infelizmente muito “doente”, mas não no sentido que pensam. Os homens estão doentes do sofrimento, da violência, do medo, da inveja, estão doentes dos seus dogmas, estão doentes de tudo o que não compreendem e por isso podem destruir-se e fazer grandes estragos no planeta Terra.
Então, vocês que começam realmente a abrir-se, tentem manter a saúde perfeita. Não falamos da saúde do corpo, falamos da saúde a todos os níveis, principalmente a saúde dos vossos pensamentos. Se emitirem só pensamentos de beleza, bondade, paz, alegria, serenidade, compaixão, ternura e perfeição, ficarão perfeitos de saúde. Se emitirem pensamentos de medo, inveja, ego ferido, incompreensão e dúvida, ficarão mal de saúde. Mais uma vez, não falamos da boa saúde do corpo, mas da boa e má saúde da totalidade do que são: corpo, alma e espirito. Claro o espírito não pode ficar tocado mas a alma pode sofrer disso.
Faz agora inúmeros anos que vos acompanhamos. Sentimos as vossas dúvidas, os vossos sofrimentos, as vossas alegrias, a vossa unidade e por vezes a vossa dualidade. Por vezes constatamos um imenso impulso que vos empurra para o Amor Universal. Em outros momentos sentimos o desencorajamento daquele que quer avançar mas que não se dá os meios necessários ou que não encontra a chave para fazê-lo. Sentimos as vossas dúvidas, o vosso sofrimento. Agora é preciso que possamos sentir em permanência a vossa confiança, a vossa fé, a vossa força, a vossa paz, a vossa Luz e o vosso Amor.
Têm a impressão que tudo isso está muito longe à vossa frente: no entanto basta simplesmente estender a mão, fazer um pequeno esforço, porque contrariamente ao que pensam este momento está muito próximo de vocês. Será preciso aprender a seguir a vossa direcção, a dar o máximo da vossa energia no vosso trabalho de transformação. Pouco importa o que acontece à direita, à esquerda ou atrás de vocês, o importante, é o que acontece à vossa frente, é o momento que vivem.
O ensinamento que vos damos há tanto tempo não é integrado da mesma forma por cada um de vocês porque são todos totalmente diferentes mesmo que sejam semelhantes. Cada um tem a sua maneira de sentir o Amor e de manifestá-lo; cada um tem a sua forma pessoal de evoluir. Assim é preciso que possam unir-se totalmente apesar das vossas diferenças, porque o vosso trabalho comum é muito mais importante e tem muito mais peso.»

Pode reproduzir o texto seguinte e dar cópia dele sob a seguinte condição:
  • que não seja cortado
  • que o seu conteúdo não seja modificado
  • que faça referência ao nosso site http://ducielalaterre.org
  • que o nome de Monique Mathieu seja mencionado

Sem comentários:

Enviar um comentário