O tempo escasseia...


O tempo escasseia…. Cientistas, ”profetas”, falam do fim dos tempos ou melhor dizer o fim de uma civilização. Já entramos no novo ciclo e na nova era, a era de Aquário.

Nestes tempos conturbados, de grandes mudanças a nível da humanidade, a nível do planeta, a nível das consciências, precisamos mudar o nosso nível de ser, o nosso nível de vibração.

Para que isso aconteça precisamos efectuar uma transformação interior, trabalhar sobre nós mesmos. É necessário mudar a nossa forma de pensar, de agir, de falar. Tomar continuamente consciência das nossas dúvidas, medos, sofrimentos, tristezas, a nossa falta de fé e confiança em nós-mesmo.

Esse trabalho deve ser constante com a ajuda da força de vontade, da coragem, da persistência para nos transformar, criando e cultivando a paz, a alegria, a sabedoria, a harmonia, o Amor, com a consciência do nosso sol interior.

Neste blogg podem encontrar alguma orientação. Mas o site http://www.ducielalaterre.org/ é muito mais completo.

Anna Carolina

sábado, 7 de março de 2015

A verdadeira liberdade

 
Canalização de 14/02/2015

«Filhos da Terra, existem de facto planetas onde ainda há incompreensão e dualidade, mas o planeta Terra é único no seu género. Gostaríamos de dizer que, de momento, é o planeta da liberdade total, mas que liberdade? A liberdade de destruir, a liberdade de sofrer? De certa forma essa liberdade de experimentarem tudo foi-vos dada no momento da vossa programação.

Neste planeta, a liberdade total existe, a liberdade de matar, a liberdade de destruir, a liberdade da não-consciência, e isto é querido para que possam ultrapassar a vossa humanidade. É difícil aceitar que vos deixam a liberdade de destruir, a liberdade de sofrer para que possam superar em permanência, superar os vossos instintos, superar certas vibrações, no entanto assim é!

Isto era assim! Agora, e progressivamente, essa liberdade será retirada aos homens, porque eles devem realmente compreender o que é a verdadeira liberdade! Não é a liberdade de fazer o que eles querem, não é a liberdade de destruir o planeta, não é a liberdade de viver num certo egoísmo, é a liberdade no respeito!

Homens da Terra, agora é isso que deverão aprender. Deverão viver na liberdade, na fraternidade e no Amor, mas não na liberdade que está inscrita nos vossos monumentos públicos. Devem aprender a verdadeira liberdade, aquela que se vive no respeito e não a que se vive no egoísmo, aquela que consiste dizer “eu sou livre, faço o que quero!” Isso não é a liberdade!
 
A VERDADEIRA LIBERDADE SÓ PODE EXISTIR NO RESPEITO DE SI-MESMO E NO RESPEITO DOS OUTROS!

Falamo-vos de liberdade porque também é um assunto importante. Na época actual, a pretexto de liberdade de expressão, os seres têm demasiadas vezes falta de discernimento e respeito, e isso provoca sofrimento, dualidade e revolta.

Liberdade, claro, mas liberdade no discernimento! De facto, o que os homens não se dão conta, é que gritam por essa liberdade tão sagrada, eles falam de liberdade de expressão, de liberdade de comportamento, enquanto são não só prisioneiros deles mesmos como também são prisioneiros de um sistema. Eles não se apercebem da sua falta de liberdade!
 
A liberdade, a verdadeira liberdade aprende-se, tal como o respeito se aprende, tal como o Amor se aprende, tal como a alegria se aprende, tal como a serenidade se aprende!

Falamo-vos muitas vezes de tudo isto tantas, tantas, tantas vezes! Falamo-vos de muitas coisas, mas vocês ouvem e não compreendem necessariamente, então somos obrigados a repetir cada vez mais, talvez de forma um pouco diferente.

Cada um tem o seu meio de expressão, a sua forma de se expressar, de expressar o que sente, de expressar os seus desejos, expressar os seus sofrimentos. Quando um ser se expressa, alguém o ouve? Alguém o ajuda? Por vezes, como ninguém ouve, nem ajuda, os seres revoltam-se e cometem acções que não só os mergulham ainda mais profundamente na sua aflição como incomodam os outros.

Vocês, seres humanos, não estão suficientemente conectados uns aos outros, vocês são individualistas. Claro, cada ser humano é totalmente diferente do seu irmão, mesmo que fisicamente haja uma semelhança. Vocês são totalmente diferentes, embora sejam únicos, mas nessa diferença também há semelhança. Vocês são todos originários da mesma Fonte, todos têm em si uma Partícula Divina que não devem ignorar, têm todos o mesmo caminho a percorrer para remontar à Fonte, têm todos os mesmos desafios a ultrapassar, têm todos as mesmas lições a aprender!»
 

Pode reproduzir o texto seguinte e dar cópia dele sob a seguinte condição:
  • que não seja cortado
  • que o seu conteúdo não seja modificado
  • que faça referência ao nosso site http://ducielalaterre.org
  • que o nome de Monique Mathieu seja mencionado

Sem comentários:

Enviar um comentário